Todo o processo é feito internamente (classificação, trituração, enfardamento e comercialização).

Um pouco sobre reciclagem - Papel

A reciclagem de papel é o reaproveitamento do papel não-funcional para produzir papel reciclado.

Há duas grandes fontes de papel a se reciclar: as aparas pré-consumo (recolhidas pelas próprias fábricas antes que o material passe ao mercado consumidor) e as aparas pós-consumo (geralmente recolhidas por catadores de ruas). De um modo geral, o papel reciclado utiliza os dois tipos na sua composição, e tem a cor creme.

A aceitação do papel reciclado é crescente, especialmente no mercado corporativo. O papel reciclado tem um apelo ecológico, o que faz com que alcance um preço até maior que o material virgem. No Brasil, os papéis reciclados chegavam a custar 40% a mais que o papel virgem em 2001. Em 2004, os preços estavam quase equivalentes, e o material reciclado custava de 3% a 5% a mais. A redução dos preços foi possibilitada por ganhos de escala, e pela diminuição da margem média de lucro.

Na Europa, o papel reciclado em escala industrial chega a custar mais barato que o virgem, graças à eficiência na coleta seletiva e ao acesso mais difícil à celulose, comparado ao do Brasil.

Processo de produção do papel reciclado

Abaixo, seguem as etapas do processo de produção de papel reciclado a partir de aparas de papéis:

  • Etapa 1
    • Entrega das aparas (fardo) na fábrica recicladora de papel
    • Passa pelo controle de qualidade e é classificado
    • Vai para o estoque de aparas
    • O lote do estoque mais antigo vai para as esteiras transportadoras
    • O hidrapulper desagrega o papel, juntamente com água industrial
    • Depois de desagregado, a bomba puxa a massa de papel para outras etapas
  • Etapa 2 - Turbo tiraplástico (retirada de plástico)

  • Etapa 3 - Processo de centrifugação para retirada de impurezas (areia, prego, etc)

  • Etapa 4 - Processo de refino da massa.
    Aditivos são adicionados à massa: sulfato de alumínio, amido de mandioca, etc

  • Etapa 5 - Caixa de entrada da máquina de papel

  • Etapa 6 - Mesa formadora (vácuo retira umidade excedente)

  • Etapa 7 - Prensa acerta gramatura do papel

  • Etapa 8 - O papel passa pelos rolos secadores

  • Etapa 9 - Chega até a enroladeira

  • Etapa 10 - Forma-se o rolo de papel

  • Etapa 11 - O rolo é transportado por ponte rolante até a rebobinadeira

  • Etapa 12 - O papel é rebobinado conforme formato da bobina

  • Etapa 13 - A bobina de papel acabada vai para o controle de qualidade

  • Etapa 14 - Vai para o estoque, podendo ser vendida ou vai para a cartonagem, transformando-se em chapa de papelão, a fim de ser industrializada como caixas de papelão

A reciclagem do papel é tão importante quanto sua fabricação. A matéria prima para a fabricação do papel já está escassa, mesmo com políticas de reflorestamento e com uma maior conscientização da sociedade em geral.

Com o uso dos computadores, muitos cientistas sociais acreditavam que o uso de papel diminuiria, principalmente na indústria e nos escritórios, mas isso não ocorreu e o consumo de papel nas duas últimas décadas do século XX foi recorde.

Algumas vantagens da reciclagem

Água: na fabricação de uma tonelada de papel reciclado são necessários apenas 2.000 litros de água, ao passo que, no processo tradicional, este volume pode chegar a 100.000 litros por tonelada.

Energia: em média, economiza-se metade da energia, podendo-se chegar a 80% de economia quando se comparam papéis reciclados simples com papéis virgens feitos com pasta de refinador.

Madeira: uma tonelada de aparas pode substituir de 2 a 4 m³ de madeira, conforme o tipo de papel a ser fabricado, o que se traduz na preservação de 15 a 30 árvores.

Redução da Poluição: teoricamente, as fábricas recicladoras podem funcionar sem impactos ambientais, pois a fase crítica de produção de celulose já foi feita anteriormente. Porém as indústrias brasileiras, sendo de pequeno porte e competindo com grandes indústrias, às vezes subsidiadas, não fazem muitos investimentos em controle ambiental.

Criação de Empregos: estima-se que, ao reciclar papel, seja criado cinco vezes mais empregos do que na produção do papel de celulose virgem e dez vezes mais empregos do que na coleta e destinação final de lixo.