EPS (Isopor®)

De acordo com a norma ISO-1043/78, o poliestireno expandido tem como sigla internacional o EPS (Expanded PolyStyrene), sendo o nome Isopor® uma marca registrada. Descoberto em 1948 dentro dos laboratórios da BASF, o material é identificado como um plástico celular rígido, criado a partir da polimerização do estireno (derivado da nafta-petróleo) em água, pertencente ao grupo dos termoplásticos.

Tem como característica técnica sua composição de 98% de ar e apenas 2% de matéria-prima (em massa) plástico, é utilizado de diversas formas, como embalagens industriais, conservação de produtos alimentícios, proteção de equipamentos, artefatos para construção civil, isolante térmico e até em processos de fundição de blocos de motores na indústria automobilística.
O processo produtivo não utiliza nem nunca utilizou gases CFC , o que torna os produtos finais inertes, não contaminando o solo, água e ar.

O EPS é 100% reciclável e reaproveitável, e como todo produto utilizado pela sociedade deve ser descartado em pontos adequados para sua reutilização, reciclagem mecânica ou recuperação energética. Segundo a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS Lei nº 12.305), a disposição em aterros deve ser a última alternativa para o resíduo sólido urbano – RSU, somente após terem sido esgotadas todas as demais possibilidades. Os maiores desafios para se reciclar EPS é a relação volume e peso, extremamente volumoso e com baixo peso, o material não atrai recicladores por não ter valor agregado pós-consumo, o que dificulta a criação de uma cadeia de reciclagem.

Apesar das barreiras existentes, de forma pioneira a Fox Reciclagem criou em 2007 um programa de reciclagem mecânica para o EPS, tendo como objetivo principal oferecer a seus clientes e parceiros uma solução ambientalmente adequada para o material que tinha como destino principal aterros sanitários.

1 - Fluxograma:

Fluxograma Isopor